Opinião * Delírio - Lauren Oliver

20:02 Babi Mac 2 Comments

Título Original: Delirium
Autor: Lauren Oliver
Trilogia: Livro 1 
Gênero: Distopia
Ano: 2012
Páginas: 341
Editora: Intrínseca
Tradutora: Rita Sussekind 



    Meus dois gêneros favoritos são Distopia e Romance. E até hoje não tinha achado um autor que tivesse conseguido equilibrar e fazer um complemento entre as características dos dois casos. Lauren Oliver foi a única que criou um enredo capaz de fazer isso. Quem diria que uma distopia romântica ia ser tão boa?


   Numa fase onde eu só pensava em Distopias, Delírio veio numa compra combo que continha a trilogia Divergente (Veronica Roth) e a coleção de Destino (Ally Condie). Só o fato de eu ter deixado o livro de lado por conta desses livros citados, eu já fico constrangida. Perdi muito tempo apenas observando o livro na estante.
   Mas enfim, fazendo meu post anterior sobre a minha tentativa de terminar minha meta de leitura até janeiro de 2015, coloquei esse livro em primeiro lugar na lista. E logo que acabei não resisti e já estou publicando a minha opiniãopara vocês.

   A autora nos mostra a sociedade distópica nos Estados Unidos, especificamente em Portland onde a protagonista vive. O que sabemos desde o começo do livro são os seguintes fatores: O amor foi considerado uma doença (Amor Deliria Nervosa) à 64 anos atrás e a cura foi encontrada à 43. Mas é só a partir dos 18 anos que as pessoas fazem a cirurgia para serem curadas, chamada de Intervenção. E na mesma época, uma avaliação oral é feita, e com base nas respostas o rumo da vida da pessoa é decidido: marido, filhos, faculdade, renda, casa...
   Assim conhecemos a protagonista de 17 anos, Magdalena Ella Haloway Tiddle.  Chamaremos ela de Lena e fica tudo certo. Ela está super ansiosa com sua cirurgia daqui à exatos 95 dias. E não aguenta mais esperar para estar segura, salva e sem medo de contrair o Deliria Nervosa a qualquer momento.
   E aí entram alguns detalhes que fizeram da Distopia não ser amadora. A autora criou um tipo de Código da Felicidade ou uma Nova Bíblia: a Shhh (Suma de hábitos, higiene e harmonia). E no início de vários capítulos, os provérbios são citados. Ironicamente a Shhh poderia ser traduzida como um aviso "Keep Calm e fique quieto".

"Seres humanos, em seu estado natural, são imprevisíveis, instáveis e infelizes. Somente quando seus instintos animais são controlados eles podem ser responsáveis, confiáveis e satisfeitos."
- Shhh, p. 31

   Numa sociedade onde o Amor é considerado uma doença contagiosa e um crime, a população realmente acredita que graças à ciência, o mundo é um lugar melhor e feliz
   Mas claro que como toda sociedade temos os que são contra ao tipo de Estado. No livro são os Simpatizantes que fogem para Selva ou são capturados pelo governo e presos na Cripta. 
   E são nesses lados opostos que Lena fica totalmente confusa e perdida. Vemos todo o processo da autora fazer com que a protagonista viva rigidamente mas sem perceber que pensa de forma no mínimo fora dos limites "normais" que a sociedade impõe.
   No começo descreveria Lena como uma personagem pacata e cansativa, já que é uma das pessoas que é totalmente leal ao governo. Mas mesmo nesses momentos que eram para ser chatos, a narrativa da Lauren faz com que o que está em torno de Lena se torne algo que vale a pena ser conhecido.  

“Aprendi a ser muito boa nisso - Dizer uma coisa quando estou pensando em outra, agir como se estivesse ouvindo quando não estou, fingir estar calma e feliz enquanto, na verdade, estou completamente descontrolada. É uma das habilidades que aperfeiçoamos quando crescemos.”
   As descobertas acontecem quando Lena começa a sentir atração por Alex (Inválido). O que é terrivelmente proibido, medonho e estranho para ela, por causa de dois fatores:
1- ele é alguém que só de existir é contra tudo o que ela acredita ser certo e
2- ter contato com o sexo oposto só é normal entre os curados ou quando a pessoa entra na faculdade.
   Mas é graças à esses sentimentos de flerte e aos pensamentos de Alex que faz com que Lena abra os olhos.


   Uma das coisas que mais amo sobre qualquer leitura, são os personagens coadjuvantes que não são esquecidos pelo autor. E em Delírio, todos eles estão presentes e têm sua importância. E mesmo sem o amor ativamente presente, Lauren foca bastante no lado humano da história.


   Lena vive com a tia e com suas duas primas, já que é órfa. A Grace é uma dela e super fofa, e mesmo quieta, sentimos (lemos) o quão importante elas são uma para outra.
   E temos a melhor amiga dela, a Hana que no começo do livro eu achava mais promissora do que a própria Lena para 'ser a mudança que quer ver no mundo'. Hana seria uma daquelas amigas doidas, que fazem você fazer loucuras mas depois é você que precisa tirar as duas das enrascadas. Mas no Estado que estão vivendo, isso não é muito visível para o leitor. 
   
   Gente, foi uma das melhores leituras de 2014 e eu só tenho desculpas esfarrapadas para ter demorado tanto para ler Delírio. Antes da leitura tinha lido algumas "resenhas", e a maioria falava como no começo a lentidão era difícil de aguentar, mas na minha humilde opinião, a autora arrasou e mesmo nesse começo devagar foi indispensável para o leitor entender em que tipo de mundo Lena vive. 
   Mas de uma coisa é certa, Lauren Oliver me fez sentir como se estivesse numa montanha russa. E fez muito mais do que um romance num ambiente impossível, ela trouxe uma visão destorcida e ao mesmo tempo reflexiva sobre o amor.
   Me vi totalmente inclusa e embrenhada na vida da Lena, e muitas vezes eu estava pensando em fazer as mesmas escolhas que ela. Gostei da sensação de eu ser tão parecida com a personagem.
   Durante a leitura percebi que não é uma distopia que possa ser considerada uma novidade. Mas se tratando da Lauren Oliver, esse não era o real objetivo.
   O casal Alex e Lena foram de me fazer dar suspiros, mas como eu disse no começo, o equilíbrio entre o romance e todo o resto foram perfeitos. Nada foi em excesso. Obrigada Lauren!!!

#AutoraRecomendada
GALERA, É OFICIAL: A trilogia vai virar série. E eu vou me conformar com isso ao invés de pedir por um filme. Porque como a Pâm do blog Garota It disse uma vez: "Fico mais feliz com adaptação para série do que para filme. Porque pelo menos, na série se alguém (diretor, roteirista, ator...) fizer alguma burrada, tem como arrumar no próximo episódio ou durante as temporadas seguidas."
   Por algum motivo, não consigo colocar o vídeo aqui para vocês verem. Mas o Trailler Official legendado da série está aqui.

2 comentários:

  1. Adorei a resenha - também li esse livro esse ano, por causa de um desafio -, imagine a minha surpresa e vergonha (eu o comprei em 2013 e fiquei enrolando esse tempo todo para ler) quando acabei de ler!
    Ele é maravilhoso, espero que a série seja um sucesso, com as séries que estão no ar ultimamente, vai ser pário duro.
    Bjs

    http://entree-virgulas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Nanda,
      Obrigada, e eu tive o mesmo problema de tempo com esse livro. Apesar de a capa ser linda, demorei muito tempo para ter coragem de ler de verdade. Acho que na época que li esse livro eu estava apaixonada demais kkkk
      Pário Duro é a expressão perfeita o que está acontecendo ultimamente.

      Bjs blogueira!

      Excluir

Olá, deixe seu comentário. Eu vou adorar responde-lo.